ARTRITE PSORIÁSICA: ATUALIDADES

A artrite psoriásica hoje em dia, ela é reconhecida como condição articular inflamatória conexa à psoríase cutânea e contrária a fator reumatoide; assim sendo, pode ser diferenciada dos outros tipos de artrite basicamente pela aparência da doença de pele concomitante, a doença não aparece da forma igual em todos os pacientes.

A psoríase consisti em uma afecção cutânea inflamatória poligênica caracterizada pela aparência de lesões avermelhadas e descamativas de bordos bem marcantes que agridem especialmente joelhos, cotovelos e couro cabeludo. Todavia, estes danos podem aparecer em qualquer parte do corpo, podendo levar distintas aparições clínicas em pessoas predispostas.

A afecção cutânea além disso, pode ser bastante alterável, sob a configuração de psoríase vulgar, gutata, inversa, palmo-plantar, eritrodérmica ou restrita a unhas ou couro cabeludo.

Em sua grande maioria dos fatos, a doença é multifatorial, envolvendo a influência mútua em meio a diversos genes com desencadeantes ambientais (estímulos antigênicos, estresse físico e/ou emocional, infecções, medicações).

 

ARTRITE PSORIÁSICA 5

EPIDEMIOLOGIA

A psoríase, de acordo com a maioria dos estudos, acomete cerca de 2% da população mundial, contudo sua prevalência pode mudar de 0%-11,8%, dependendo da mostra analisada e dos procedimentos de exame populacional.

Acredita-se que 2%–3% da população mundial apresentem psoríase cutânea separada, e a artrite pode advir em 5%–42% desses pacientes, a depender da comarca geográfica e da seriedade do quadro cutâneo.

Atualmente no Brasil não há classificação resumido, mas determinadas análises com populações regionais, verificaram a presença em perto 15% a 20%. A ampla maior parte das pessoas que trazem artrite psoriásica apresenta a doença de pele anteriormente das dores articulares, entretanto há determinados poucos casos em que se podem achar queixas de dores nas juntas antes da doença na pele.

Os fatores preditivos mais aceitos, que elevam o risco de algum paciente com psoríase cutânea obter artrite, compreendem a apresentação de lesões em unhas, desenvolvimento cutâneo mais amplo e também história familial de artrite psoriásica

Ao oposto do notado na artrite reumatoide aonde há uma predileção pelo sexo feminino, a artrite psoriásica acostuma apresentar distribuição entre os sexos, acontecendo em parecida percentualidade em homens e mulheres, a maior parte já na vida adulta.

Em geral, é bastante polimórfica, podendo acontecer em alguma faixa etária, adultos e crianças, embora o pico de caso ser por volta dos 40 e 50 anos de idade, enquanto o quadro articular frequentemente surge duas décadas em seguida.

A psoríase desenvolve em quase 50% dos irmãos de individuo com esta doença bem como ambos os pais são afetados; em 16% na situação em que somente um pai tem psoríase; e em 8%, nos casos onde nenhum dos pais é acometido.

Em relação à artrite psoriásica, o risco de apresentar a doença adentre irmãos em semelhança ao risco na população geral é acima de 27, importância bem mais elevada que o da psoríase, que fica dentre 4 e 11.

A proporção de psoríase é 19 vezes maior dentre parentes de primeiro grau de pacientes com artrite psoriásica em comparação à população em geral.

Logo, pacientes com suposição clínica de artrite psoriásica precisam ser atenciosamente analisados à busca de sinais de psoríase escondidas não somente em couro cabeludo, regiões periumbilical, glútea e perianal, mas especialmente nas unhas.ARTRITE PSORIÁSICA

QUAIS SÃO AS FORMAS CLÍNICAS DA ARTRITE PSORIÁSICA?

Diversas foram as experiências de se classificar a artrite psoriásica, mas tropeça-se nos enigmas apropriados de se examinar uma doença complicada e heterogênea, que por vezes se assemelha à artrite reumatoide, e por outras à espondilite anquilosante, ou ainda, adota qualidades únicas.

Existem cinco formas de apresentação da artrite psoriásica:
1. Forma oligoarticular é o envolver de escassas articulações inflamadas – Alcança inferiormente que cinco juntas, individualmente grandes articulações, como unhas, tornozelos e joelhos, podendo envolver também pequenas articulações das mãos e pés. Esta constitui a forma de começo mais comum.

2. Forma poliarticular, ou consistir em diversas articulações inflamadas em tempo igual; parecido a outro tipo de reumatismo, denominado artrite reumatoide. Podendo evoluir com distorções articulares. Compreende pés, mãos, tornozelos e joelhos.

3. Ataque das juntas distais dos dedos das mãos, sendo essas as mais adjuntas às unhas, que volta e meia são acometidas

4. Configuração mutilante, origina amplas aniquilamentos nas articulações, sobretudo mãos e pés.

PSORÍASE E O DIREITO A APOSENTADORIA?

Pacientes com um quadro mais grave podem apresentar crises por um momento demorado. Sendo assim, nesses acontecimentos, podem pensar em requerer uma licença do trabalho e até também a aposentadoria por invalidez.

De fato, são preciosos os fatos onde o INSS cedeu o benefício por invalidez para pacientes de psoríase, pelo evento de a enfermidade não ser contagiosa e haver tratamento. O procedimento de conseguir a aposentadoria por invalidez e o auxílio-doença não é tão simples assim.

Entretanto, se o médico e o paciente aferirem que a enfermidade evita o retorno ao trabalho, um processo de aposentadoria precisa ser aberto. Nesse evento, o paciente precisa inicialmente solicitar o auxílio-doença.

Tem um folclore que depois 2 anos consecutivos de auxílio-doença, incide a aposentadoria por invalidez, entretanto, nos últimos anos isso tem ocorrido cada ocasião menos. Posteriormente esse momento de auxílio-doença, o perito do INSS poderá aferir se é o episódio de ceder a aposentadoria por invalidez.

Um contexto prontamente usual pelos pacientes para solicitar a aposentadoria por invalidez é o aspecto psicossocial da doença. O indivíduo que sofre com a psoríase pode ter o sentimento de timidez do aspecto das lesões, ainda que elas não sejam contagiosas. Com isso, determinados pacientes podem argumentar que optam por o afastamento da atmosfera profissional.

O stress movido pelo trabalho ainda pode piorar a doença. Esse é um dos elementares fatores que geram crises inflamatórias na pele. Por este fato, o médico poderá solicitar que o paciente seja retirado do trabalho para impedir o estresse.

Sendo assim, é valido destacar que em todo evento, precisará ser examinado por advogado para o melhor manejo da ação para aposentadoria por invalidez no episódio do acometimento pela doença Psoríase, aconselhando que todo acontecimento tem suas características e que a aposentadoria por invalidez não é impossível.ARTRITE PSORIÁSICA 2

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Perante o publicado, acreditamos que é imprescindível abordar a artrite psoriásica como sendo qualquer das distintas e aceitáveis configurações de aspecto clínico adentro de um extenso universo espectral chamado psoríase.

Embora, a maior parte dos pacientes exibir a artrite acompanhada à psoríase de desenvolvimento benigna, diversos outros casos podem evoluir de forma acelerada e brutal, induzindo à incapacidade e deformidades permanentes.

Portanto, nem sempre a aquisição de seus direitos constituirá de forma simples, passamos por múltiplos e diversas ocasiões, umas muito importunas, diversas vexatórias, mas não abdique, pois apenas você exclusivamente você, indivíduos com doenças crônicas sabem o quão custa apresentar uma doença no Brasil, sua despesa de vida aumenta, enquanto seus ganhos desmoronam.

Felipe Ricardo

Felipe Ricardo

Felipe Ricardo – Apaixonado pela fisioterapia. Fisioterapeuta – CREFITO14/235419-F.
Pós-Graduado em nível de Aperfeiçoamento em Perícia Judicial certificado pela ABRAFIT, Especialista em Fisioterapia Intensiva certificado pelo ICF, Instituto Camilo Filho.
Felipe Ricardo

Últimos posts por Felipe Ricardo (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *